Literária sempre. Monótona, jamais.

Devaneios de um protótipo humano na infoesfera.

domingo, 1 de setembro de 2013

Querer

Por: Viviane Cabrera





Nessa noite vaga,
perigosa feito adaga
que corta o que quer viver,
eis o desejo de te ver.

Assim me atrai e repudia.
Um medo invade e o desejo adia
para mais tarde
a concretização de algo que urde e arde.

Teu corpo é o estopim
dos desatinos que afloram em mim.
Pedra angular do meu pecado.
Homem insano, desaforado.

Liberta de vez essa besta fera
e devolve a calmaria do que antes era!
Vai embora antes que a cortina se feche.
Vá embora antes que essa explosão comece!

Quero a paz de não tê-lo por perto.
Não o gozo pleno em momento incerto.
Pois o que vem de ti perturba tanto
que meu medo é cair em sua rede de encanto.